Ser um operário de Deus!

Posted By: admin on Jan 13, 2014 in Testemunhos
santidade

 ” Não foste Vós que me escolheste, mas eu vos escolhi, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça…” João 15, 16

 

A vida é feita de escolhas, e todos nós temos muitos sonhos e muitos projectos, assim também sou eu. Depois de acabar a escola, sonhava ter um trabalho por conta propria, ligado à agricultura biológica, ou mesmo ligado a crianças e idosos que era um trabalho que me atraía muito. Mas este não era o sonho que Deus tinha para mim. Ele conduziu-me para que eu fosse uma operaria de Deus, que trabalhasse ao seu serviço.

De inicio foi um pouco difícil de aceitar trabalhar na Canção Nova. Não pelo trabalho em si, mas porque uma vez a D. Irene, disse-me “…que as pessoas não iam só à livraria para comprar livros…”, mas eu nunca percebi o que isso queria dizer.

Se afinal não estava ali para vender livros, estava ali para quê? Isso criou uma certa luta interior. Eu era uma “cristã light”, ia à missa quando me apetecia ou quando achava que tinha de ir, e achava que não tinha de ir assim tantas vezes.

Um dos Domingos que eu participei na Santa Missa, o versículo do Evangelho que citei inicialmente (João 15, 16), veio responder ao conflito interior que eu estava a viver. Afinal não tinha sido eu a escolher Deus, a escolher a estar ali, pois foi ele que me escolheu em primeiro lugar.

Aos poucos aceitei abrir o coração e perceber os muitos porquês, porque tinha de ir, porque tinha de rezar e quando deixamos o coração abrir, Deus vai trabalhando em nós, vai-nos esculpindo.

Quando dei por mim, encontrava-me a fazer caminho vocacional para a Canção Nova ao lado do meu esposo, levando aos poucos a nossa família para Deus.

Queremos que a nossa família seja uma família santa em primeiro lugar! Uma família que reza, que trabalha para Deus e por Deus. Queremos ser santos no mundo em que vivemos, deixando de lado tudo aquilo que não nos santifica: telenovelas e outras programas que não sejam de valores cristãos, roupas indecentes, vida noturna, enfim se Cristo voltasse agora neste preciso momento, como ele me iria encontrar? É essa a pergunta que tem de estar sempre presente, sempre connosco, para que não sejamos surpreendidos como um ladrão durante a noite.

É importante estarmos em comunhão com Ele pela oração e pelos sacramentos. Procurar Deus só nas aflições dá a entender que somos falsos amigos que só procuramos Deus para Ele nos vir aqui “desenrascar” pois agora é que estamos a precisar. Ele não nos tira a cruz nem os sofrimentos, mas ajuda-nos a carrega-la e bem mais felizes pois sabemos que nunca estamos sós, nem mesmo as pessoas mais isoladas ou mais órfãs de família.

S. Francisco de Sales dizia que pela oração nós vamos a Deus e pelos sacramentos Deus vem a nós. Então mais do que vender/aconselhar livros, preciso em primeiro lugar ser as mãos e os braços de Cristo, para que através destes membros outras pessoas possam experimentar Deus nas suas vidas e comecem a fazer esta experiência de oração pelos sacramentos e vão atraindo outras pessoas e cada vez mais pessoas.

Para aqueles que já fizeram essa experiência é sempre bom recordar o primeiro chamamento, o porquê e a finalidade de terem aberto a mão dos seus sonhos (que todos têm) para viver o sonho de Deus. Assim avivando toda a chama, todo o impulso inicial possamos, pela ação do Espirito Santo e unidos à cruz do Senhor, cumprir bem a missão de ser operário de Deus.

Tenho muito orgulho em estar a preparar-me para ser mais um elemento na “companhia de pesca”, e olhando para trás vejo quanto Deus tem realizado e continua a realizar a cada dia.

Nem sempre é facil aceitar e abrir mão dos nossos sonhos para viver os sonhos de Deus, mas tem valido muito a pena e não me arrependo.

Bastou abrir o coração para deixar o sopro do Espirito Santo realizar.

302869_2247549502552_5219847_n

Joana Costa

Colaboradora da Comunidade Canção Nova

leave a comment