Francisco, o Papa que veio de longe

Posted By: admin on Abr 24, 2013 in Formação
877x658

No final do dia 13 de Março, o conclave elegeu o Cardeal Bergoglio, para sucessor de Pedro, o que para todos nós foi uma grande alegria.

As suas primeiras palavras logo contagiaram os nossos corações, “Vós sabeis que o dever do Conclave era dar um Bispo a Roma. Parece que os meus irmãos Cardeais tenham ido buscá-lo quase ao fim do mundo… E agora quero dar a Bênção, mas antes… antes, peço-vos um favor: antes de o Bispo abençoar o povo, peço-vos que rezeis ao Senhor para que me abençoe a mim; é a oração do povo, pedindo a Bênção para o seu Bispo. Façamos em silêncio esta vossa oração, por mim.”

Estas palavras, de facto, tocam-nos na profundidade, e posso partilhar convosco que o meu coração transbordou de felicidade, ao escutá-las. Palavras simples, espontâneas, e humildes, mas que ao mesmo tempo apontam o caminho para cada um de nós, ou seja Deus.

Até o próprio nome, para o seu papado, Francisco, vem de alguém que vive na simplicidade, e que conhece o sofrimento do povo, e assim com estes gestos e palavras convida-nos a sermos uma única família em Cristo e a vivermos o amor fraterno.

Na sua homilia do dia 14, o Papa fala sobre três pontos que são: Caminhar, Edificar, e Confessar, e com elas faz uma preciosa reflexão; Caminhar. «Vinde, Casa de Jacob! Caminhemos à luz do Senhor» (Is 2, 5). Trata-se da primeira coisa que Deus disse a Abraão: caminha na minha presença e sê irrepreensível. Caminhar: a nossa vida é um caminho e, quando nos detemos, está errado. Caminhar sempre, na presença do Senhor, à luz do Senhor, procurando viver com aquela irrepreensibilidade que Deus pedia a Abraão, na sua promessa.

Edificar. Edificar a Igreja. Fala-se de pedras: as pedras têm consistência; mas pedras vivas, pedras ungidas pelo Espírito Santo. Edificar a Igreja, a Esposa de Cristo, sobre aquela pedra angular que é o próprio Senhor. Aqui temos outro movimento da nossa vida: edificar.

Terceiro, confessar. Podemos caminhar o que quisermos, podemos edificar um monte de coisas, mas se não confessarmos Jesus Cristo, está errado. Tornar-nos-emos uma ONG sócio caritativa, mas não a Igreja, Esposa do Senhor. Quando não se caminha, ficamos parados. Quando não se edifica sobre as pedras, que acontece? Acontece o mesmo que às crianças na praia quando fazem castelos de areia: tudo se desmorona, não tem consistência. Quando não se confessa Jesus Cristo, faz-me pensar nesta frase de Léon Bloy: «Quem não reza ao Senhor, reza ao diabo». Quando não confessa Jesus Cristo, confessa o mundanismo do diabo, o mundanismo do demónio.

Caminhar, edificar-construir, confessar. Mas a realidade não é tão fácil, porque às vezes, quando se caminha, constrói ou confessa, sentem-se abalos, há movimentos que não são os movimentos próprios do caminho, mas movimentos que nos puxam para trás.

Este Evangelho continua com uma situação especial. O próprio Pedro que confessou Jesus Cristo com estas palavras: Tu és Cristo, o Filho de Deus vivo, diz-lhe: Eu sigo-Te, mas de Cruz não se fala. Isso não vem a propósito. Sigo-Te com outras possibilidades, sem a Cruz. Quando caminhamos sem a Cruz, edificamos sem a Cruz ou confessamos um Cristo sem Cruz, não somos discípulos do Senhor: somos mundanos, somos bispos, padres, cardeais, papas, mas não discípulos do Senhor.

Eu queria que, depois destes dias de graça, todos nós tivéssemos a coragem, sim a coragem, de caminhar na presença do Senhor, com a Cruz do Senhor; de edificar a Igreja sobre o sangue do Senhor, que é derramado na Cruz; e de confessar como nossa única glória Cristo Crucificado. E assim a Igreja vai para diante.”

Este apelo é para todos, neste contexto podemos interpretar que só produz efeito se tivermos uma sensibilidade com os mais necessitados. Ao restituir a dignidade à pessoa, muitas das vezes queremos uma vida sem Cruz, uma vida facilitada, sem sacrifícios, e não é isso que o Papa nos ensina, mas sim a sermos verdadeiros, dar abertura ao outro, exercitarmos a caridade e não ter medo do futuro. Deus confia-nos o seu projecto salvífico, ou seja, a trabalhar nele de mãos dadas. Somos chamados a estar unidos ao Papa Francisco, na sua missão.

Nossa Senhora, eis o Papa Francisco, confio-te o seu pontificado e sua vida ao Teu Imaculado Coração e intercedei por ele junto do Vosso Filho Nosso Senhor Jesus Cristo.

Que o Espirito Santo o assista sempre na sua caminhada, e seja instrumento da Vossa Bondade para que os corações se abram ao amor e a justiça, e todos descubram a Cristo, Luz do Mundo e único Salvador.

Deus Te Abençoe Papa Francisco

Obrigado Francisco o Papa que veio de longe

Joaquim Dias

Missionário da Comunidade Canção Nova de Portugal

Discussion - One Comment

  • Anderson Abr 24, 2013 

    assim vale a pena ser católico ta gosto de participar ainda mais pois esto homem é ungido de Deus para levar a igreja de Cristo com dignidade é o primeiro a dar exemplo, na humildade da gosto ser católico e ver este servo quebrar as barreiras das luxuria e ritual do Vaticano. quem sabe assim os católicos abram seus corações para um mundo melhor vivendo na presença do Espirito Santo…

leave a comment